Pai cria primeiro parquinho adaptado para crianças deficientes em homenagem à sua filha

A vida de Rudi Fischer mudaria drasticamente em 2012.

A primeira grande mudança foi sair da sua bem-sucedida carreira no Banco Itaú, para trabalhar de casa e assim passar mais tempo com a sua filha Anna Laura de 3 anos.

E quando menos esperava, a vida veio e mudou tudo de novo ao levar tragicamente a sua filha num acidente de carro um mês depois.

Deprimido e sentindo-se sem chão ele embarcou em uma viagem para Israel, onde imergiu no judaísmo. “Aprendi que deveria realizar algo positivo em nome dela para ajudar a elevar sua alma”, conta.

Com essa aprendizagem em mente seguiu viagem e foi algum tempo depois em Jerusalém, mais exatamente em Jaffa, que Fischer descobriu qual seria a sua boa ação para o mundo em memória de sua filha: um parquinho adaptado para crianças com deficiência.

De volta ao Brasil, quem ganhou esse presente e essa homenagem foi a cidade de São Paulo. Inaugurada no último dia 25, localiza-se na unidade da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), no Parque da Mooca, na Zona Leste.

Nomeada de Anna Laura Parques para Todos, o pai recebeu ajuda de terapeutas, engenheiros e arquitetos voluntários para desenvolver os quinze brinquedos disponíveis no local.

Hoje aposentado, Fischer investiu 120 mil reais por esse primeiro local, mas já se sabe que teremos outros (ainda bem!), sendo o próximo ainda para este ano no Parque Cordeiro, em Santo Amaro. Recife e Porto Alegre também devem ganhar os seus parquinhos.

Ele também pretende lançar um livro contando a história da sua filha nos próximos meses e fundar uma ONG para auxiliar pais em luto.

“É emocionante poder ajudar o próximo por meio de uma homenagem à minha filha”, finaliza.

paulistano-nota-dez-12-fev2014-ed2361-rudi-560

parques_acessíveis

Parque-para-todos-2

img-7603

crianca_escorrega_okay

cld95cvzu5x7ukjrah01sqnig

alpapato

10249011714_fd61b6b631_b

O Brasileiro Rudi Fischer, idealizou um parquinho especial para criancas com deficiencia, e vai criar uma ONG em homenagem a filha que faleceu.

COMPARTILHAR